Anoreg RS

Clipping – Jornal do Comércio – Porto Alegre apresenta aumento no preço médio de venda de imóveis em agosto

O preço médio de venda de imóveis residenciais na Capital teve alta de 0,47% em agosto, ultrapassando a média nacional que ficou em 0,37% no último mês. De acordo com o Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do setor 50 cidades, Porto Alegre tem alta acumulada no ano de 1,48%, acompanhando a maior parte das demais capitais, que apresentam avanço apesar da crise do novo coronavírus.

Na capital gaúcha, a média dos valores praticados na venda é de R$ 5.981/m². No Brasil, o preço médio de venda residencial calculado em agosto foi de R$ 7.355/m². Dentre as capitais monitoradas, Rio de Janeiro apresentou o preço de venda mais elevado (R$ 9.311/m²), seguida por São Paulo (R$ 9.210/m²) e Brasília (R$ 7.737/m²).

A alta nominal do Índice FipeZap de 0,37% em agosto, após avançar apenas 0,28% no mês anterior, representa a maior alta mensal desde abril de 2015, quando o indicador registrou aumento de 0,39% no preço médio de venda de imóveis residenciais. Comparativamente, a variação mensal do índice foi superior ao comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mês (+0,18%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil.

Uma vez confirmada essa variação dos preços ao consumidor, o preço médio de venda de imóveis residenciais encerra o mês de agosto com alta de 0,24%, em termos reais. À exceção do Rio de Janeiro, onde o preço médio permaneceu praticamente estável (-0,02%), todas as capitais brasileiras monitoradas pelo Índice FipeZap apresentaram elevação no período, destacando-se: Brasília (+1,33%), Manaus (+1,15%) e Maceió (+0,95%).

O balanço parcial de 2020, indica alta nominal de 1,77% de janeiro a agosto deste ano, ante variação de +0,65% esperada para o IPCA/IBGE nesse período. Na comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e a inflação esperada, a expectativa é que o preço médio de venda dos imóveis residenciais encerre o período com alta real de 1,11%.

A preocupação surge quando se analisa o conjunto dos últimos 12 meses. Nesse horizonte temporal, o índice acumula um avanço nominal de 1,45%, porém, comparando-se com a inflação acumulada nos últimos 12 meses (+2,39%), de acordo com o IPCA, o índice exibe queda real de 0,92%.

Sob esse prisma, Florianópolis figura entre as capitais com o maior aumento nominal acumulado no preço médio (+5,82%), seguida por Curitiba (+4,65%) e Belo Horizonte (+3,84%). Em contraste, Fortaleza acumula a maior queda no preço médio as capitais (-7,25%), sendo acompanhada por Recife (-4,82%) e Rio de Janeiro (-0,73%). Porto Alegre tem alta acumulada de 1,74% nos últimos 12 meses.

Fonte: Jornal do Comércio