Anoreg RS

Projeto prevê que cartórios gaúchos possam fazer o registro gratuito de doadores de órgãos e tecidos até o final do ano

Uma parceria firmada entre a Secretaria Estadual da Saúde, a Procuradoria de Justiça do Estado e a Associação de Notários e Registradores do Rio Grande do Sul, vai permitir que as pessoas registrem gratuitamente, nos cartórios gaúchos, o interesse de ser doadores de órgãos e tecidos.

 

O sistema terá integração direta com a Central Estadual de Transplantes e será notificada a respeito do desejo da pessoa, onde ficará registrado. Após a morte confirmada de um potencial doador de órgãos, a Central poderá pesquisar se o paciente havia se declarado ser um doador em vida.

O projeto está previsto para estar disponível até o final do ano nas 166 Comarcas e 497 Municípios. Na busca por diminuir as filas de espera para transplantes no Rio Grande do Sul. Atualmente cerca de 2616 pessoas estão na lista por um transplante em todo o Estado. Mais de 1.300 pessoas aguardam por uma doação de rim, e outras mil pelo transplante de córnea.

Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado, a principal causa para a não doação de órgãos ainda é a negativa familiar. Onde quase metade das famílias não permitem a realização do procedimento. Ao doar órgãos ou tecidos um paciente com morte encefálica pode salvar até oito pessoas.

Na série histórica o Rio Grande do Sul tem menos doadores efetivos do possiveis, ficando abaixo no número de transplantes.

Para o Presidente da Anoreg/RS, João Pedro Paiva Lamana, enfatiza que o problema no brasil é cultural – Queremos fazer um gesto de generosidade, se a gente poder fazer isso, vamos salvar muitas e muitas vidas.

A assinatura do termo de cooperação ocorreu na semana passada, no Palácio da Justiça em Porto Alegre. A Iniciativa conta com o apoio do Colégio Notarial do Brasil – Seção do Rio Grande do Sul, do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), da Santa Casa de Porto Alegre e do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Fonte: Acustica FM