Anoreg RS

Personagens Gaúchos: a trajetória de Sérgio da Costa Franco

O historiador gaúcho faleceu em Porto Alegre no dia 13 de outubro, aos 94 anos

Em sequência ao projeto “Personagens Gaúchos”, a Associação dos Notários e Registradores do Estado do Rio Grande do Sul (Anoreg/RS) traz, neste mês, detalhes da vida do historiador Sérgio da Costa Franco, que faleceu no dia 13 de outubro deste ano, aos 94 anos de idade.

A certidão de óbito está localizada no Registro Civil das Pessoas Naturais da 8ª Zona de Porto Alegre, livro C-26, folha 1. Nas averbações do documento, detalhes de sua vida: era viúvo de Ignez Maria Casella da Costa Franco, registrado no Ofício do Registro Civil das Pessoas Naturais da 1ª Zona, Porto Alegre, no livro B-81, folha 123, sob n° 29730. Era Procurador de Justiça aposentado. Não deixou bens ou testamento conhecido. Deixou os(as) filhos(as) Sérgio, Maria Ignez, Miguel, Fernando e César, com 70, 65, 62, 57 e 55 anos de idade, respectivamente.

Nascido no dia 12 de junho de 1928, em Jaguarão, município situado no Sul do estado Rio Grande do Sul, o filho de Álvaro da Costa Franco e de Gilda Werneck da Costa Franco atuou ainda como jornalista e advogado.

Ao longo de sua trajetória profissional lançou 29 livros. Considerado um dos maiores pesquisadores da história do Rio Grande do Sul e da capital gaúcha, Porto Alegre, a cidade foi um de seus principais temas de pesquisa. Foi autor da obra “Porto Alegre – Guia Histórico” e “Os viajantes olham Porto Alegre”, este último que culminou na conquista do Troféu Açorianos em 2005. Em 2019, Sérgio da Costa Franco recebeu o Prêmio Joaquim Felizardo.

Realizou o curso secundário no Colégio Anchieta, em Porto Alegre. É bacharel em Geografia e História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (1948), e bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais – UFRGS (1954). Como professor, atuou em diversas escolas particulares de 2º grau, em Porto Alegre, a partir de 1947; em escolas técnicas de comércio em Cruz Alta (1953), Encantado, de 1958 a 1959, e Erechim, de 1967 a 1968; e em nível de 3º grau, na cadeira de Cultura Brasileira, em Erechim, no ano de 1969. Foi servidor do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1949 a 1952, na Inspetoria Regional do Rio Grande do Sul, como Chefe da Seção de Comunicações.

O velório ocorreu no Cemitério da Santa Casa, em Porto Alegre. Entidades e personalidades lamentaram a morte do historiador, como a Secretaria Municipal de Cultura e Economia Criativa (SMCE) e o prefeito de Porto Alegre Sebastião Melo (MDB).

Quer participar?

Os cartórios interessados em participar do projeto podem compartilhar sugestões de nomes de personalidades gaúchas marcantes que estão registradas em suas serventias, enviando um e-mail para [email protected]. Com as informações iniciais, a equipe de Comunicação da Anoreg/RS retornará o contato para dar continuidade à produção da reportagem.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Anoreg/RS